quarta-feira, 30 de julho de 2014

DEPOIMENTO DO DR. WILLIAM ALLEYNE, O MÉDICO QUE SALVOU MICHAEL EM 1995


Quando o Dr. William Alleyne II soube da morte de Michael Jackson na semana passada durante as férias, este médico que se especializou em doenças do pulmão em Rock Hill retornou ao passado novamente. Em sua mente, ele era apenas Bill Alleyne, o jovem que gastou o dinheiro do bolso para comprar álbuns de Michael Jackson. O cara que se tornou um médico e levou sua noiva para shows de Michael Jackson.

"Foi um enorme sentimento de tristeza", disse Alleyne.

Claro, Bill Alleyne é um fã de Michael Jackson como milhões. Mas o Dr. William Alleyne teve mais motivos para estar triste do que a maioria dos fãs. Alleyne falou terça-feira pela primeira vez em 14 anos:

 "Eu fui o médico que salvou  a vida de Michael Jackson." Em dezembro de 1995, Alleyne era o diretor assistente no Beth Israel North Hospital, no Upper East Side em Nova York, próximo ao gabinete do prefeito de Gracie Mansion. Ele era o cara no comando quando uma das enfermeiras lhe disse: "Nós temos Michael Jackson para vir aqui."

 Alleyne não acreditou nisso. "Eu disse:  'Ha ha, muito engraçado' ", recordou Alleyne. Ele tinha visto os pacientes que eram estrelas, ou cônjuges de estrelas, mas isso era diferente.

Milhares de pessoas começaram a se juntar fora do hospital. O local estava virando bagunça. "Dez minutos depois, rolaram Michael Jackson numa maca", Alleyne disse terça-feira em seu escritório em Rock Hill, onde ele é um dos médicos sócios pneumologistas na Carolina.

 Mas em 1995, Alleyne era o médico do rei do pop. Jackson havia desmaiado após um ensaio para um futuro especial da HBO no Beacon Theater. Alleyne e sua esposa tinham visto Jackson em concerto, na televisão, e agora, em 1995, Jackson estava esperando, inconsciente, para Bill Alleyne salvar sua vida.

  "O sr. Jackson estava em estado crítico " , disse Alleyne. "Ele estava desidratado. Ele tinha pressão arterial baixa. Ele tinha o batimento cardíaco rápido. Ele estava perto da morte. "

Alleyne foi, de médico de uma estrela, para o médico de um homem que podia morrer. Alleyne era conhecido de um médico de Michael Jackson na época, tinha sido escolhido pessoalmente por esse médico para ser o responsável para cuidar de Jackson na emergência. Alleyne deu a ordem para que o desfibrilador ficasse pronto se necessário para tratar o ritmo anormal do coração do famoso artista. Após cerca de uma hora ou assim, ao entardecer de dezembro, Alleyne disse que Jackson havia estabilizado com fluidos intravenosos e outros tratamentos, e transferido aos cuidados intensivos. Mas, entretanto, a multidão lá fora se tornou enorme.

 "Eu olhei para fora da janela, e a multidão ali ombro a ombro, enorme, muito mais do que quando a mansão do outro lado da rua havia hospedado o papa, o presidente, mesmo Nelson Mandela", Alleyne lembrou. E dentro do hospital Alleyne disse:

 "Foi um pandemônio absoluto." Seguranças de Jackson se desdobravam em cuidados intensivos. Alleyne teve um breve confronto com um guarda-costas que não queria deixar Alleyne entar na sala novamente depois que ele a havia deixado momentaneamente. Alleyne lembrou de dizer para o guarda-costas:

 "Seu chefe está morrendo lá dentro, e eu estou indo lá para salvar sua vida. Você pode ser o único a dizer que não irá me deixar entrar."

Bill Alleyne entrou e salvou Michael Jackson. Mas a multidão de pessoas no interior não havia terminado. A comitiva da então esposa de Jackson, Lisa Marie Presley, entrou e Presley entrou, também. Então, no meio da multidão, uma outra comitiva, e Janet Jackson, irmã de Michael:

 "Aqui é Janet, fatalmente, parar o relógio lindo, e ela disse: 'Obrigado por ter cuidado do meu irmão'", Alleyne lembrou.

Alleyne encontrou tempo para ligar para casa. Sua esposa, Cheryl Courtlandt, uma médica que é agora pediatra no Children's Hospital Levine em Charlotte, estava em casa com duas crianças pequenas.

"Eu vou ter de sair tarde docinho," disse Alleyne a sua esposa.

 "Veja o noticiário".  Ele disse à esposa que Michael Jackson era seu paciente, e ela disse ao marido, literalmente, nas palavras que Alleyne nunca vai esquecer:

"Bem, você cuida do Sr. Jackson e volte para casa rápido, porque eu tenho dois filhos aqui, e você precisa recolher o lixo. "

Jackson logo ficou estável, e Alleyne e Jackson iniciaram uma relação médico/paciente semelhante a todos, em teoria, mas ao contrário de qualquer relacionamento que Alleyne nunca tinha tido na prática. Com pessoas subindo em árvores para conseguir fotos de dentro do hospital, como os fãs de Michael Jackson cantavam suas canções fora e da imprensa mundial invadindo as calçadas e ruas para obter informações sobre a condição deste homem muito famoso, Bill Alleyne tentou manter Michael Jackson vivo com alimentação intravenosa e cuidados.

 "Michael Jackson foi o mais suave e menos exigente cara que você poderia conhecer", disse Alleyne. "Tudo o que ele dizia era num sussurro. Sua maior preocupação era quando ele poderia ensaiar. Alleyne disse a Jackson que de nenhuma maneira ele poderia ensaiar em breve. Alleyne teve de obter permissão para liberar informações para a família Jackson. Jackson deu permissão.

Alleyne teve que lidar com outros médicos que vieram para assistir todos os seus movimentos, e um mundo que queria informações que Alleyne não daria para ninguém, só para aqueles que Jackson disse para falar. Após cerca de 72 horas, os publicitários, Alleyne, Jackson e outros perceberam que tinham de dar uma conferência à imprensa. Então, Alleyne combinou com pessoal de Jackson para repassar o que poderia ser dito, mas sem esconder a verdade. Alleyne foi objetivo com o mundo, dizendo que Jackson não tinha qualquer problema no sistema imunológico, porque os boatos sobre a AIDS estavam girando. Ele foi categórico em dizer que Jackson não tinha drogas em seu sistema. Notícias a partir de 1995 mostram Alleyne e seu então parceiro, o Dr. Bob Glennon, falando sobre condição de Jackson para convencer o mundo que ele estava, de fato, em estado grave.

"Michael Jackson estava inconsciente quando chegou", disse Alleyne. "Tive que deixar isso claro." Através dos poucos dias que se seguiram, Alleyne foi médico de Jackson. Outros médicos vieram vê-lo por suas costas, mas Alleyne disse que não estava ofendido. Tendo os olhares dos outros em seu cuidado e tratamento de Jackson, era compreensível.

Jackson teve que fazer o que outros pacientes que estão em recuperação devem fazer, disse Alleyne. Andar um pouco, sendo monitorado. Só que ele tinha uma comitiva na sala ao lado.

 "Depois de alguns dias, o Sr. Jackson me disse que ele precisava dar um jeito no seu cabelo", lembrou Alleyne. "Disse-lhe que tinha um barbeiro no hospital. A comitiva de Jackson riu: Um estilista viajou ao redor do mundo com Jackson e que estava ali nos cuidados intensivos. A equipe de maquiagem entrou também. Perto do fim da estada de Jackson no hospital, ele perguntou a Alleyne se ele poderia visitar outros pacientes em terapia intensiva. Como foi o caso de uma senhora que disse:

 "Alleyne eu posso morrer agora, eu rezei com Michael Jackson."

Jackson deu-lhe um retrato autografado depois que ele a conheceu e orou, Alleyne lembrou, rindo:

 "Eu disse ao Sr. Jackson que talvez visitando pessoas que haviam sofrido ataques cardíacos ou outros problemas graves não que foi uma ideia tão boa. "

Quando Jackson estava de alta, Alleyne ficou em segundo plano perante as câmeras quando o vídeo foi filmado. Mas Jackson pediu a Alleyne para fazer consultas particulares pelos próximos três dias. Verificações de pressão arterial, pulso, todo esse material. Alleyne era o diretor de cuidados intensivos - consultas particulares não eram da sua função. Mas Michael Jackson pediu, então Alleyne disse que sim.

 "Consulta particular, para a cobertura do hotel Four Seasons", disse Alleyne. "Alugou os últimos dois andares.

 Ele teve um "momento de fraqueza". Alleyne disse que quase perguntou a Jackson se podia ensiná-lo a fazer o moonwalk, sua marca registrada. A dança de Michael Jackson, mas Alleyne manteve-se profissional com Michael Jackson, já os séquitos e o mundo assistiam cada movimento seu.

Finalmente, cerca de duas semanas após o “furacão”, Alleyne disse a Jackson:

"Sr. Jackson, já está estável. Posso deixar de ser seu médico e voltar a ser seu fã ".

Humilde, Alleyne pediu para tirar um retrato e autografá-lo para que seus filhos pudessem ver daqui a alguns anos. Alleyne, antes de sair do hotel naquele dia, lembrou de Jackson dizendo:

"Obrigado para salvar minha vida ".

Em seguida Jackson disse a Alleyne que ele entendia o quão difícil tinha sido para um homem negro chegar a tal posição distinta dentro do mundo médico, e que as realizações de Alleyne foram inspiradoras para Jackson.

"Foi muito emocionante", disse Alleyne. "Eu nunca vou esquecer isso."

Nunca mais Alleyne deu uma entrevista, desde então, nunca assinou qualquer acordo de livro ou fez um níquel por ter sido médico de Michael Jackson durante duas semanas. Ele nunca falou com Michael Jackson de novo. Alleyne, que na conversa informal com amigos ou colegas de medicina, ou entre as pessoas em sua prática médica, nunca contou a ninguém de seu tempo como médico do artista mais famoso do mundo. Aos próprios filhos, o filho Douglas e sua filha Courtney, só souberam de seu papel quando um documentário surgiu há alguns anos, através de algumas imagens das conferências de notícia em 1995.

Disse Bill Alleyne: "Papai, você é médico de Michael Jackson?" Sua filha perguntou. "Eu disse que sim, porque eu era o seu médico", respondeu. "Eu olhei para ele, como sendo sempre o seu médico, que eu tinha uma relação profissional com o Sr. Jackson e que honraria."

Esse homem com raízes na Carolina, sua família veio para Charlotte, em 1996, em seguida, começou a praticar medicina em Rock Hill, em 1999. Ele fez o que os médicos humildes devem fazer: dar algum tempo de si à leitura em escolas, como voluntário, levando seus filhos. A inscrição de fora de sua sala médica em Rock Hill tem apenas o seu nome. Não há menção de Michael Jackson em qualquer parte do edifício. Somente agora, depois da morte de Michael Jackson, Alleyne concorda em compartilhar suas lembranças daqueles dias.

Alleyne disse que falou para sua esposa, apenas meio brincando, que os holofotes do mundo estariam sobre médicos que tinham recentemente cuidado de Jackson antes de sua morte. Alleyne disse a ela que seria lembrado como "Eu era o médico que salvou a vida de Michael Jackson."

 Alleyne tem, à noite, há poucos dias passados, depois de ver os pacientes, visto alguma cobertura da morte de Michael Jackson.

 "Que hoje ele seja tão amado não é nenhuma surpresa para mim", disse Alleyne. "Ele foi muito gentil e amável." Ele entende que houve acusações contra Jackson depois de 1995, mas que não era o Michael Jackson que Bill Alleyne conhecera em 1995. E à tarde, enquanto dezenas de milhões, talvez mais, assistiram ao funeral de Jackson em Los Angeles, aqui está o que Bill Alleyne, médico, fez: ele viu outros pacientes. Ele não assistiu TV. Ele ajudou uma senhora com um pouco de problemas cardiopulmonares. Outro com a asma. Mais. Cada um recebeu a plena atenção de Alleyne, como tinha dado a Michael Jackson toda a sua atenção em 1995. Alleyne viu tudo, deu esta entrevista sobre estas duas semanas há 14 anos, depois fui para casa. Assim como ele fez para aqueles dias loucos em dezembro de 1995, quando Bill Alleyne era o médico de Michael Jackson."

Fonte:

http://www.michaeljackson.com/uk/node/820899

4 comentários:

  1. Que depoimento maravilhoso, amiga... eu não conhecia e me senti emocionada durante toda a leitura. Eu ouvi afirmações de que Michael havia simulado um desmaio na ocasião dos ensaios para o especial do HBO, por achar que não estava preparado o suficiente para a ocasião, visto ele ser perfeccionista. Mas agora, ao ler o depoimento deste médico, esta teoria cai por terra de vez.

    *E o estado dele ter se mostrado tão crítico... que aflição! Boatos sobre AIDS?! Meu Deus.. sabemos que qualquer pessoa está sujeita a contrair esse vírus, inclusive crianças, ainda bem que não foi esse o caso.

    *Sempre importante ele também afirmar que não havia drogas em seu organismo.

    *Que fofo, o doutor querendo tietar Michael depois de sua melhora... louco para lhe perguntar sobre seu passo de dança!

    *Obrigada por pesquisar, traduzir e publicar, amei tomar conhecimento!

    Bjs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi angel! ♥

      Então, eu achei esse médico muito profissional e respeitoso para com Michael em todos esses anos sem dar sequer um depoimento. Poderia ter se aproveitado da ocasião.

      Pareceu-me ser uma pessoa íntegra.

      Eu também já ouvi esse boato de que ele não queria se apresentar naquele especial da HBO, o que se vê aqui que não tem fundamento, pois, Michael cancelaria o show, como fez em outras ocasiões como na turnê Dangerous e posteriormente no show do Milênio.

      Boatos sobre AIDS só pode ser da mídia tabloide né?

      Também achei super importante ele ser taxativo ao afirmar que não havia drogas no organismo de Michael.

      Legal ele tietando Michael, sem ser invasivo.

      Que bom que gostou sister angel! Quis trazer aqui por entender que ele tratou Michael como um ser humano, com muito respeito e honestidade. Não expôs Michael de nenhuma forma.

      Obrigada pela leitura flor do Michael!

      Bjinho...

      ♥♥♥

      Excluir


    2. É sempre uma alegria visitar os teus lares virtuais, amiga! Ƹ̵̡Ӝ̵̨̄Ʒ ・。.。・゚゚・。.。・゚゚・。 ゚

      Excluir
    3. ✿ฺ ゚*:;;:*゚✿゚ฺ*:;;:*゚✿ฺ✿゚ฺ*:;;:*゚✿ฺ✿゚ฺ*:;;:*゚✿ฺ✿゚ฺ*:;;:*゚✿ฺ

      Excluir